[AEROPORTO VCA]: Herzem acusa Zé Maria Cayres de “não falar a verdade” sobre captação de recursos e participação de Geddel


O prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB), em entrevista ao programa Bem Bolado (Melodia FM), do radialista Isaac Cabral, acusou o presidente do Movimento “Conquista Pode Voar Mais Alto”, José Maria Cayres, de “não falar a verdade” em relação ao Aeroporto Glauber Rocha no que diz respeito ao empenho de Geddel e Lúcio Vieira Lima e real participação do governo da Bahia na obra. O prefeito diz ter provas de que a contribuição do governo Rui Costa (PT) no empreendimento foi de apenas 0,01%. “O Zé Maria, da Maxitour (empresa de turismo), precisa caminhar com a verdade”, bradou Herzem. O prefeito de Conquista,disse ainda que Cayres “induziu” ao erro” o âncora do programa Resenha Geral (Brasil FM),  jornalista Robson do Val.

Segundo Gusmão, a primeira etapa do novo aeroporto custou 60 milhões de reais e a verba foi viabilizada pelo empenho do prefeito de Salvador ACM Neto e seu pai, Antônio Carlos Magalhães Júnior. “Eu gostaria que alguém provasse o contrário”, desafiou. “Desses 60 milhões, o governo do estado entrou com 10%, (…) só que eles [PT], não tocaram a obra, ficou travada em Brasília”, disse.

Herzem falou ainda que José Maria Cayres  solicitou sua intervenção para agendar uma audiência com os irmãos Vieira Lima, mas o empresário não compareceu. “Inventou uma história e não foi”, acusou Gusmão. O prefeito disse que uma segunda vez,  Cayres pediu novo encontro com Geddel e Lúcio, dessa vez para acelerar o processo de construção do Terminal, e mais uma vez, o presidente do movimento ‘Conquista Pode Voar Mais Alto’, não compareceu.

“ENTREVISTA INFELIZ”,  DIZ JOSÉ MARIA CAYRES

Procurado pelo Blog do Caique Santos, o empresário José Maria Cayres classificou a entrevista do prefeito Herzem Gusmão como “infeliz”, ao acusá-lo de faltar com a verdade  e induzir ao erro o radialista Robson do Val. “Com relação ao âncora do programa Resenha Geral, que ao meu ver é um dos mais conceituados jornalistas da Bahia e por isso, em nenhuma hipótese, será induzido por qualquer entrevistado, não seria por mim, portanto, induzido ao erro (…) em nenhum momento ele concordou comigo na entrevista”.

Zé Maria afirma que esteve sim  com Geddel, quando  o mesmo era vice-presidente da Caixa Econômica Federal, para interceder junto ao Ministro Moreira Franco, por serem do mesmo partido (MDB). “Na época Moreira Franco era ministro de Dilma Roussef, não de Michel Temer, isso faz muito tempo, talvez por isso o prefeito Herzem Gusmão tenha esquecido das datas”, disse Cayres.

Sobre a acusação de ter “dado o bolo” e “inventado” uma desculpa para não ir à audiência com Geddel, o empresário diz não ter ido à Brasília por não ter sido convidado pelo Vieira Lima. “Eu fui à Brasília com 7 vereadores de Vitória da Conquista, portanto não é verdade, eu não recusei de ir à Brasília”, rebate.

Cayres disse ainda que nunca mencionou quanto o governo do Estado da Bahia contribuiu com o novo aeroporto. “Eu tenho a convicção que a elaboração do projeto custou 3 milhões de reais e foi bancada pelo Estado. Sei também que toda a desapropriação da área, foi contrapartida do Estado da Bahia, agora,  esse percentual de 0,01% que o prefeito diz, não conheço esse documento. Nunca contestei, nunca entrei em valores, até porque não cabe ao Movimento questionar quem foi que deu mais, quem foi que deu menos (…) pra mim o grande interesse é que o aeroporto saia”, concluiu.

 

“O Zé Maria, da Maxtour precisa caminhar com a verdade”, OUÇA ABAIXO:

RESPOSTA DO JOSÉ MARIA CAYRES:

PARTE I

PARTE II