Nas redes sociais caminhoneiros dizem que greve continuará


Logo após ser anunciado pela grande imprensa uma trégua de 15 dias na greve dos caminhoneiros as redes sociais ficaram em polvorosa. Diversos caminhoneiros de todo o Brasil afirmam que o acordo não tem validade sem a aprovação de todos e que a greve continua. Outros dizem que só vão parar quando sair no Diário Oficial os pontos noticiados.

Em coletiva de imprensa concedida na noite desta quinta-feira (24), o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou que, após uma reunião de mais de 6 horas com representantes da categoria dos caminhoneiros, foi fechado um acordo para suspender a greve, que dura desde segunda-feira (21), por quinze dias.

De acordo com o ministro, a desmobilização da paralisação começará ainda hoje. No acordo, foi firmado com os caminhoneiros que a greve seria suspensa por 15 dias, quando será feita uma nova reunião entre a categoria e o governo para avaliar o cumprimento dos compromissos estabelecidos.

“As entidades reconhecem o empenho do governo federal em buscar soluções para atender às demandas das categorias representadas pelas entidades, bem como se comprometem a apresentar aos manifestantes o presente termo para a suspensão do movimento paredista por 15 dias, quando será realizada nova reunião com o governo federal para acompanhamento do adimplemento dos compromissos estabelecidos nesse termo”, diz o texto do acordo lido por Padilha.

O acordo, no entanto, não inclui uma mudança na política de preços da Petrobras, que hoje baseia o preço do combustível vendido internamente pelo mercado financeiro e que é o mote dos sucessivos aumentos dos últimos meses.

Por enquanto a greve continua sem prazo para terminar.