Esquerda quer “investigar a política de desinvestimento da Petrobrás”.


Quebrando o silêncio da esquerda tupiniquim, uma nota oficial do PSB40 noticiou que “a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) protocolou nesta quarta-feira (30) pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a política de formação de preços da Petrobras”. Pelo que se entende da nota, os aliados de Lula e Dilma acreditam que exista algo de “podre” no “método de aplicação de preços da estatal, adotado desde 2016”  e querem “investigar a política de desinvestimento da empresa e seus reflexos na composição dos preços dos combustíveis e do gás de cozinha”.

A nota não fala nada sobre investigar o impacto que o desvio de dinheiro da estatal imprimiu ao pesadelo que a “menina dos olhos do Brasil” vive. Se a política do governo Temer foi voltada aos interesses “imperialistas”, cabe entender quais as diferenças das diretrizes dos governos Lula e Dilma.

Nosso blog está preparando uma série de matérias, reportagens e comentários sobre a política de preços dos combustíveis no Brasil e os principais atores políticos envolvidos nesta. Não percam!

E fica aqui a pergunta do Blog do Caique Santos: Afinal, o que a esquerda vai fazer enquanto o país pega fogo? Textões nos grupos de ZAP?

Segue a íntegra da nota do PSB40

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) protocolou nesta quarta-feira (30) pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a política de formação de preços da Petrobras.

O requerimento reúne um total de 29 assinaturas, duas a mais que o mínimo necessário. Além de apurar o método de aplicação de preços da estatal, adotado desde 2016, a CPI deve investigar a política de desinvestimento da empresa e seus reflexos na composição dos preços dos combustíveis e do gás de cozinha.

Segundo Lídice da Mata, a comissão terá caráter emergencial e duração de 30 dias. “Neste momento, é importante que analisemos quem são os verdadeiros privilegiados pela atual política de preços da Petrobras, posta em prática por Pedro Parente e chancelada por Michel Temer, que não cumpre a função social desta empresa estatal e não beneficia a população brasileira”, critica a senadora.

No documento, também de iniciativa da senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), as proponentes destacam que as políticas adotadas pelo governo e pela Petrobras, nos últimos dois anos, “têm se alinhado e balizado na lógica do mercado internacional, descolando-se do interesse nacional e da nossa população”.

“A política em curso de desinvestimento da Petrobras não atende ao interesse nacional. A empresa está sendo desintegrada com o plano de negócios”, afirmam no requerimento.

Em nota publicada nesta quarta-feira (30), o governo Temer anunciou que vai manter a política de preços da Petrobras. A composição desses valores pela estatal é justamente um dos pontos criticados pela greve dos caminhoneiros que provocou uma crise de abastecimento sem precedentes no país.

Atualmente, o valor do diesel, do gás e da gasolina consideram a flutuação do valor do barril de petróleo no mercado internacional.

O documento já foi recebido pela Mesa do Senado, e agora precisa ser lido em plenário, para que seja iniciada a contagem de prazo para retirada ou acréscimo de assinaturas.

Pelas regras da Casa, senadores têm até a meia-noite do dia da leitura do requerimento para decidir sobre suas assinaturas. Encerrado esse período, líderes de bancada indicam os membros de seus partidos que integrarão o colegiado.

Assessoria de Comunicação/PSB Nacional