[BAHIA]: Vazou áudio de pastor da Assembléia de Deus (CEADEB), que teria financiado campanha de políticos


Vazou um áudio do pastor Arilson Pereira, administrador da “CEADEB”, que apresentou uma denúncia grave contra a Convenção Estadual da Assembléia de Deus do Estado da Bahia. Arilson confirma a prática de financiamento através de recursos da própria instituição para custear campanha eleitoral. Seria para dois de seus pastores que concorreram a cargos como deputados.

No áudio que vazou, os desvios de dinheiro seriam para os pastores da (CEADEB) Assembleia de Deus, Pr. Samuel Junior, candidato a deputado estadual e o Pr. Alex Santana, candidato a deputado federal.

Ainda de acordo com o áudio, o Pastor Arilson Pereira, que é um dos administradores da Convenção, estaria exigindo os comprovantes de pagamento de gasolina. O dinheiro teria sido usado na campanha para custear viagens de pessoas que, supostamente, saíram da capital baiana rumo ao interior para votar nos candidatos da igreja.

Arilson ainda deixa claro que os comprovantes de combustível seria uma forma de tapear “o controle fiscal”, por não poder financiar legalmente os candidatos. Ele ainda deixa claro que a exigência das notas não seria por desconfiança, mas sim para explicar a saída do dinheiro do caixa da convenção para fins políticos. E tal verba seria apontada como “financiamento de missões”.

O Pastor ainda afirma que a prática de duplicação de notas é comum na instituição. Ficando claro que a gerência da agremiação tem sido usada para objetivos pessoais e não teria um controle fiscal idôneo. Os Pastores Alex Santana e Samuel Junior, ambos pertencem ao PDT-BA, recebiam apoio financeiro da Convenção, que seria braço de sustentação do PT dentro do Estado baiano.

Se confirmadas as acusações a Convenção pode responder na justiça pelos crimes de abuso de poder econômico, caixa dois e desvio de dinheiro da própria instituição por notas frias.

Os autores da denúncia pedem que sejam dadas as devidas explicações aos membros e igrejas filiadas a Convenção, bem como toda a sociedade baiana, e que, se comprovadas as acusações, sejam tomadas as devidas providências para punir os que agiram de má fé.

OUÇA O ÁUDIO QUE VIRALIZOU NOS GRUPOS DE ZAP: