Comerciantes de Conquista prometem manifestações e até desobediência ao lockdown


Comerciantes e funcionários do comércio de Vitória da Conquista estão convocando manifestações contra o apoio da Prefeitura ao decreto de prorrogação do lockdown até a quarta-feira. Nas redes sociais, donos de academias de musculação estão compartilhando um card em que argumentam que o setor deve ser considerado essencial, pois está relacionado com a saúde.

Um áudio que também circula nos grupos de whatsapp, de outro suposto empresário da cidade, diz que outro grupo articula não obedecer ao decreto nesta segunda-feira ou também aderir à manifestação dos donos de academia.

OUÇA ABAIXO:

 

 

Conquista: Número de mortos chega a 310 e 87% dos leitos de UTI estão ocupados


Até este domingo (28), Vitória da Conquista registrou o total de 20.101 casos confirmados da Covid-19, sendo que 19.371 deles são de pessoas já recuperadas. Outros 420 pacientes diagnosticados com a doença continuam em processo de recuperação (37 internados em Vitória da Conquista, dois em outros municípios e 381 em tratamento domiciliar) e 310 moradores do município evoluíram para óbito.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, até hoje, foram registradas 73.734 notificações, dos quais 14.959 casos foram descartados e 34.936 apresentaram síndrome gripal não especificada.

Deste total, ainda há 3.738 casos que aguardam classificação final, sendo que 3.722 aguardam por investigação laboratorial e 16 casos aguardam resultado de exame RT-PCR (LACEN Estadual).

Panorama de ocupação dos leitos – Hoje, 90 pacientes estão internados em parte dos 148 leitos disponíveis (78 enfermarias e 70 leitos de UTI) na rede SUS para tratamento de pacientes confirmados ou com suspeita de infecção pelo novo Coronavírus. Além de moradores de Vitória da Conquista, também estão internados residentes dos seguintes municípios:

Barra do Choça;
Brumado;
Caatiba;
Caculé;
Caetanos;
Cândido Sales;
Dom Basílio;
Encruzilhada;
Eunápolis;
Guanambi;
Igaporã;
Itapetinga;
Jacaraci;
Jussiape;
Livramento de Nossa Senhora;
Macarani;
Macaúbas;
Malhada;
Pindaí;
Planalto;
Poções;
Rio de Contas;
Rio do Pires;
Tanhaçu;
Tremedal.

Clique aqui para acessar o Boletim epidemiológico completo.

Call Center– A Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza um Call Center para tirar dúvidas da população sobre a Covid-19 e atender pessoas que apresentem sintomas suspeitos.

● Telefones fixos:(77) 3429-3468/3429-3469/3429-3470
● Celulares:(77) 98834-9988 / 98834-9900 / 98834-9977 / 98834-9911 / 98856-4242 / 98856-4452 / 98856-3722/ 98825-5683/ 98834-8484
● Call Center Noturno:(77) 98856-3397/98856-5268
● Call Center do Trabalhador de Saúde:(77) 98809-2988 / 98809-2919 / 98809-2965

Sindimed acusa Rui Costa de mentir ao dizer que faltam médicos, dar calote e dificultar recebimento do seguro covid


A Presidente do Sindimed, Sindicato do Médicos do Estado da Bahia, Dra. Ana Rita de Luna gravou um vídeo com duras críticas e denúncias contra o governador Rui Costa após o mesmo declarar que faltam médicos para trabalhar em novas UTI´s. Para Ana Rita, a manifestação foi uma surpresa. “Não faltam médicos, falta respeito, quando o senhor deixou de fazer concurso há mais de 10 anos, abrindo concurso para outras categorias e nenhuma vaga para médicos. Faltou respeito quando o senhor deixou de dar a progressão daqueles médicos que são estatutários, não fazendo a avaliação necessária para que eles progridam na carreira, faltou respeito quando o senhor ao deixar de fazer concurso passou a terceirizar a mão de obra através das organizações e até mesmo o credenciamento direto datado de 2010”, disse a presidente do Sindimed.

O Sindicato diz que quando o Estado contrata mão de obra por pessoa jurídica, deixa de pagar as organizações sociais com as quais fez acordo e essas, sem condições, deixam de pagar os médicos. “Gastos 151 milhões em credenciamento direto com pessoas jurídicas, sem controle algum, dando calote em diversos hospitais. Temos como exemplo o Hospital de Juazeiro, Ribeira do Pombal, Alagoinhas, Madre de Deus, vários gripários de Salvador, Hospital Prado Valadares, que chegou a ter 5 meses de atraso”, denuncia Ana.

“Não venha dizer que está faltando médico para a população, os médicos colocaram suas vidas em risco, mantiveram seus postos de trabalho e o senhor deixou de pagar através de calote direito ou indireto, não passando o valor necessário para as OS´s. Onde está o seguro que o senhor prometeu? Aliás, só prometeu depois de muito esforço do Sindicato com uma carta para todos os parlamentares. O senhor fez tanta burocracia em cima desse seguro que não tivemos notícias de nenhum médico que tenha recebido esse seguro por adoecimento por covid e muito menos os familiares que faleceram”, denuncia o sindicato.

O CASO DO RESPIRADORES PAGOS ADIANTADOS E NÃO RECEBIDOS

A Diretora de Comunicação do Sindimed, Dra. Clarice Saba, gravou um vídeo com mais críticas ao governador Rui Costa e ainda cobrou o dinheiro da compra de respiradores, desviado em uma negociação fraudulenta. O STJ investiga compras suspeitas do governo do estado na área de saúde. Segundo o tribunal a Bahia, em nome do consórcio Nordeste, efetuou, em Março, uma compra de 300 respiradores no valor de 49 milhões de Reais. A parte da Bahia, nesse montante, seria de R$10 milhões pagos antecipados a empresa Hemcare. Ao que consta, esses equipamentos nunca foram entregues ao governo estadual baiano ou a nenhum outro estado do consórcio.

Posteriormente, uma nova denúncia somou-se à antiga e acusa o governo de ter feito uma segunda compra, dessa vez com a empresa Ocean 26, no valor de 44,8 milhões de Reais. Se confirmada, o Estado da Bahia terá sofrido um prejuízo em torno de R$ 54,8 milhões. Dinheiro público desperdiçado, escorrido pelo ralo.


RUI COSTA COGITA BUSCAR MÉDICOS FORA DO ESTADO 

O governador Rui Costa relatou na sexta-feira (26) que a Bahia está com dificuldade na contratação de equipes médicas para trabalhar em hospitais que estão fazendo atendimento da Covid-19. Segundo ele, o estado está analisando alternativas e pode recorrer à Justiça.

Rui falou também que, desde que o hospital de campanha da Arena Fonte Nova reabriu, ainda não conseguiu uma organização para gerir a unidade, porque todas alegam que estão sem profissionais disponíveis.

“Nós estamos com imensas dificuldades e nós hoje vamos analisar alternativas para conseguir ter uma equipe médica, enfermeiros especializados em UTI, fisioterapeutas especializados em UTI, médicos”, disse ele.

“Não está sendo fácil, nós ainda não conseguimos fechar a organização social que vai gerir [o hospital de campanha da] Fonte Nova. Todas têm alegado falta de pessoal para fechar equipes”.

O governador disse que chegou a entrar em contato com as Obras Sociais Irmã Dulce, para tentar a gestão do hospital, mas a organização também está sem pessoal suficiente para trabalhar com o volume de pacientes do estado.

“Ontem [quinta-feira, 25] eu liguei pessoalmente para Maria Rita, da organização Irmã Dulce [Obras Sociais Irmã Dulce], para ela nos ajudar e para tentar ver se consegue assumir e consegue mobilizar pessoal, e ela me relatou que perdeu muitos médicos, muitos profissionais da equipe, que também adoeceram”.

“A situação vai se agravando quando você começa a perder parte da sua equipe”.

Buscando alternativas para contornar a escassez de profissionais, o governador da Bahia disse que não descarta procurar médicos em outros estados ou países e que, se for preciso, irá recorrer à Justiça.

“Nós estamos buscando alternativas de colocar equipes e médicos. E não descartamos buscar médicos fora do estado e, eventualmente, fora do país, para garantir esse atendimento. E, se necessário for, iremos à Justiça para conseguir liminar para viabilizar isso, farei. O que não podemos assistir é ter o equipamento, ter o leito e não conseguir formar equipe”.

Sobre as acusações do Sindimed, o governador ainda não se manifestou.

Pavimentação da estrada do Iguá finalmente tem início


A obra de pavimentação asfáltica de 5,40 km do acesso que liga a BR-116 ao Povoado de Iguá finalmente teve início. O vereador Luciano Gomes (PCdoB) está comemorando mais essa vitória do seu mandato, cuja luta teve início no dia 04 de maio de 2017, durante visita do governador Rui Costa a Vitória da Conquista.

Na época, munido de ofício, o vereador Luciano, ainda filiado ao PR, aproveitou a oportunidade e pediu diretamente ao governador que desse atenção a essa demanda. “Naquele momento, o governador Rui Costa nos garantiu que a obra seria feita”, disse.

Mas o vereador não se contentou apenas com isso. Por intermédio dos deputados estadual Jurandy Oliveira (PP) e federal, João Bacelar (PL), ele foi diversas vezes à Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) e à Secretaria de Relações Institucionais (Serin), onde reforçou o pedido feito ao governador. Também procurou o senador Otto Alencar (PSD), que se comprometeu a lutar pela execução da obra.

“Nós não entregamos um ofício e paramos. Ao contrário, fomos lá diversas vezes, pedimos, cobramos, acompanhamos todo o processo. Essa é uma luta nossa, dos nossos deputados e da comunidade do Iguá”, afirmou.

O asfalto da estrada do Iguá custará aos cofres públicos quase R$ 4 milhões e meio. A previsão é que a obra esteja concluída no prazo de três meses. “Torcemos para que esse prazo seja cumprido, mas já estamos comemorando a transformação de um sonho antigo dos moradores em realidade”, concluiu

Mulher aluga apartamento com vista para o mar só para seus gatos


Há quatro anos, a carioca Andréa Mello, 50, superou a alergia a pelos de animais adotando a vira-latas Meg, uma gata que estava prenha e abandonada nas ruas de Bangu, na zona oeste do Rio. Superadas as reações alérgicas, a empresária, hoje conhecida como mulher-gato, abraçou a causa animal e trabalha pelo bem-estar de cães e gatos, financiando adoções, castrações e até adestramento.

A paixão de Meg por seus três filhotes fez com que Andréa investisse em um ambiente todo especial para seus quatro “filhos felinos”, e ela decidiu alugar um apartamento exclusivo para os gatos viverem. O imóvel, com sala, dois quartos, um deles suíte, cozinha, banheiro, varanda e vista para o mar, fica na Barra da Tijuca, bairro de classe média alta na zona oeste do Rio.

O investimento é a comprovação de que, no mundo dos pets, a crise não chegou. Pelo contrário, o segmento não para de crescer. O Brasil é o segundo maior mercado para pets do mundo (só perde para os Estado Unidos), segundo levantamento da Euromonitor International, e as projeções são de mais crescimento. “Gasto mais de R$ 10 mil por mês promovendo conforto e saúde para os bichos.”

Além dos meus filhos felinos, mantenho mais quatro cães hospedados e duas gatas, uma hospedada e outra em lar temporário, que podem ser adotados”, conta Andréa, que brinca e diz que se sente investigadora do FBI (polícia federal americana) quando avalia a ficha de um candidato à adoção.

“Caso seja aprovado, e meus critérios são altos, eu pago a castração e a primeira consulta do veterinário em casa. Para os cachorros, ainda financio adestramento”, completa. Andréa promove a adoção dos bichos pelo Instagram.

A população pet no Brasil é de aproximadamente 141,6 milhões de animais, um crescimento de 1,70% frente a 2018, quando foram contabilizados 139,3 milhões de animais. O número de cães no Brasil subiu 1,7% de 2018 para 2019, de 54,2 milhões para 55,1 milhões. Os gatos apresentaram crescimento declarado de 3%: de 23,9 milhões para 24,7 milhões de pets felinos. E de acordo com o Instituto Pet Brasil, o mercado pet deve confirmar um crescimento de 13,5% em relação a 2019, com faturamento geral de cerca de R$ 40,1 bilhões. A previsão era de alta de 6,25%. Os números de 2020 ainda não foram oficializados devido à pandemia.

Um dos segmentos que ganha força é o comércio on-line, um dos principais aliados dos consumidores durante o isolamento social. “As lojas e clínicas veterinárias se adaptaram ao e-commerce, mas entendemos que, passados os primeiros meses da crise do coronavírus, os consumidores voltaram a comprar em volume convencional nas lojas físicas”, avalia o presidente-executivo do IPB, Nelo Marraccini

“Apesar das turbulências econômicas, o setor se manteve resiliente. Por ser bastante pulverizada, a rede de varejo permite que sempre haja um estabelecimento pet perto das famílias. E, mesmo optando por produtos mais em conta, os donos de animais de estimação não deixam de oferecer produtos adequados para tamanho, idade e espécie”, prossegue o representante do Instituto Pet Brasil.

Fonte: Metrópoles

Bolsonaro: Lockdown é “politicalha” e quem adotar terá que bancar auxílio


O presidente Jair Bolsonaro reclamou nesta sexta-feira (26/02) dos estados que aderiram ao lockdown. Ele repetiu críticas, caracterizando a medida contra a covid-19 como “politicalha”. O mandatário disse ainda que o estado que aderir ao fechamento da economia após os novos quatro meses de auxílio emergencial, deverá “bancar” a ajuda. O chefe do Executivo voltou a dizer que o povo quer trabalhar e não aguenta mais ficar em casa. Vários estados estão adotando o lockdown, incluindo o DF por conta do aumento de casos do contágio pelo novo coronavírus e da lotação nas UTIs.

“A pandemia nos atrapalhou bastante, mas nós venceremos esse mal. Pode ter certeza. Agora, o que o povo mais pede e eu tenho visto, em especial no Ceará, é trabalhar. Essa politicalha do ‘fique em casa, a economia a gente vê depois’, não deu certo e não vai dar certo, Não podemos dissociar a questão do vírus do desemprego. São dois problemas que devemos tratar de forma simultânea e com a mesma responsabilidade. E o povo assim o quer. O auxílio emergencial vem por mais alguns meses e, daqui para frente, o governador que fechar seu estado, o governador que destrói emprego, ele é quem deve bancar o auxilio emergencial”, afirmou, sendo ovacionado por apoiadores.

Bolsonaro disse ainda que os governadores “não podem continuar fazendo política e jogando no colo do presidente da República essas responsabilidades”.

O presidente relatou satisfação em voltar ao Ceará, onde iniciou a corrida presidencial. Ele bradou também que “não se entregará aos inimigos”.

“É sempre uma satisfação voltar aqui para o nosso Ceará. A campanha de 18 de eleição começou aqui no Ceará. Nós sabíamos que não seria fácil, mas os inimigos podem ter certeza de uma coisa: nós não nos entregaremos. Estamos aqui hoje apresentando uma parte do serviço feito pelo ministro Tarcísio, da Infraestrutura. Como podem notar, um serviço de qualidade. Coisa que nunca teve aqui no Ceará”, disparou.

Por fim, Bolsonaro disse que, em governos anteriores, havia desvio de dinheiro público em obras, mas que em seu mandato, isso “acabou”.

“Aqui, de governos anteriores, tínhamos sim, desvio de dinheiro publico e obras mal feitas. Essa época acabou. Agradeço a todos vocês pelo apoio, pela consideração e pela confiança que depositam em nós, acreditando que nós podemos mudar o destino do Brasil. Estamos certos disso”, concluiu.

Auxílio emergencial
O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em live ontem (25/2), que o auxílio emergencial deverá voltar a partir de março, com quatro parcelas de R$ 250.

“Eu estive hoje com o Paulo Guedes. A princípio, né, o que deve ser feito. A partir de março por quatro meses, R$ 250 de auxílio emergencial. Está sendo conversado ainda, em especial com os presidente da Câmara e do Senado, porque a gente tem que ter certeza de que o que nós acertamos que vai ser em conjunto, não vai ser só eu ou a equipe econômica, vai ser junto com o Legislativo também, que na ponta da linha aquilo seja honrado por todos nós”, apontou.

O presidente disse ainda que o país está altamente endividado, mas que a extensão das parcelas servirá para ver se a economia “pega de vez”. Ao final do período, Bolsonaro anunciou ainda que aguarda ter uma nova proposta para o Bolsa Família.

Fonte: Correio Braziliense

Rui não descarta buscar médicos fora do estado e até em outro país


O governador Rui Costa relatou nesta sexta-feira (26) que a Bahia está com dificuldade na contratação de equipes médicas para trabalhar em hospitais que estão fazendo atendimento da Covid-19. Segundo ele, o estado está analisando alternativas e pode recorrer à Justiça.

Até a manhã desta sexta, a Bahia está com 81% de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e com número recorde de pessoas internadas desde o início da pandemia. Com tantas pessoas hospitalizadas, faltam profissionais para atender a grande demanda de pacientes.

Rui falou também que, desde que o hospital de campanha da Arena Fonte Nova reabriu, ainda não conseguiu uma organização para gerir a unidade, porque todas alegam que estão sem profissionais disponíveis.

“Nós estamos com imensas dificuldades e nós hoje vamos analisar alternativas para conseguir ter uma equipe médica, enfermeiros especializados em UTI, fisioterapeutas especializados em UTI, médicos”, disse ele.

“Não está sendo fácil, nós ainda não conseguimos fechar a organização social que vai gerir [o hospital de campanha da] Fonte Nova. Todas têm alegado falta de pessoal para fechar equipes”.

O governador disse que chegou a entrar em contato com as Obras Sociais Irmã Dulce, para tentar a gestão do hospital, mas a organização também está sem pessoal suficiente para trabalhar com o volume de pacientes do estado.

“Ontem [quinta-feira, 25] eu liguei pessoalmente para Maria Rita, da organização Irmã Dulce [Obras Sociais Irmã Dulce], para ela nos ajudar e para tentar ver se consegue assumir e consegue mobilizar pessoal, e ela me relatou que perdeu muitos médicos, muitos profissionais da equipe, que também adoeceram”.

“A situação vai se agravando quando você começa a perder parte da sua equipe”.

Buscando alternativas para contornar a escassez de profissionais, o governador da Bahia disse que não descarta procurar médicos em outros estados ou países e que, se for preciso, irá recorrer à Justiça.

“Nós estamos buscando alternativas de colocar equipes e médicos. E não descartamos buscar médicos fora do estado e, eventualmente, fora do país, para garantir esse atendimento. E, se necessário for, iremos à Justiça para conseguir liminar para viabilizar isso, farei. O que não podemos assistir é ter o equipamento, ter o leito e não conseguir formar equipe”.

MP pede envio de informações sobre possível reabertura de hospitais de campanha


O Ministério Público estadual solicitou informações às Secretarias estadual (Sesab) e municipal de Saúde de Salvador (SMS) sobre a possibilidade de reativação e abertura de hospitais de campanha com leitos, clínicos e de UTI, e respiradores voltados aos pacientes de Covid-19. Os ofícios foram encaminhados ontem, dia 24, pelo Grupo de Trabalho de acompanhamento das ações de enfrentamento do novo coronavírus (GT Coronavírus). Os coordenadores do GT, promotores de Justiça Frank Ferrari, Patrícia Medrado, Rita Tourinho e Rogério Queiroz, pediram resposta em 48 horas.

No ofício enviado à Sesab, o GT pediu informações sobre a possibilidade de reabertura dos hospitais de campanha da Arena Fonte Nova e do Fazendão; de inauguração do Hospital Metropolitano, indicando se a unidade contaria com respiradores e leitos exclusivos, inclusive de UTI, para o tratamento da Covid-19; de reativação de leitos clínicos desmobilizados e abertura de novos leitos de UTI no Hospital Costa dos Coqueiros (Riverside). Essa unidade de campanha e também a do Fazendão foram desativadas no ano passado.

No documento encaminhado à SMS, os promotores querem saber se será reaberto o hospital de campanha do Wet’n Wild, cuja possibilidade teria sido a princípio descartada pelo Município, segundo informações divulgadas na imprensa. O GT solicitou também informações sobre se o Estado e a Prefeitura de Salvador pretendem instalar leitos e disponibilizar respiradores nos hospitais de campanha que sejam reabertos pelos respectivos órgãos, como realizado em parceria entre as Secretarias no ano passado.

Os promotores destacaram o alto nível de lotação das unidades públicas e privadas em Salvador, para onde é destinada a maior parte dos pacientes de Covid-19 no estado. Conforme os ofícios, a taxa global de ocupação de leitos na rede pública da capital chegou a 82%, ficando em 84% nos casos dos leitos adultos de enfermaria e 82% dos de UTI adulto. O GT ressaltou ainda que, segundo informações divulgadas pela imprensa, a maioria das unidades hospitalares da rede privada está com ocupação acima de 90%, chegando a 100% no Hospital da Bahia, Teresa de Lisieux, do Aeroporto, Português e Jorge Valente.

 

Câmara cria Comissão Especial de Enfrentamento à Covid-19


Na manhã desta quinta-feira, 25, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Vitória da Conquista, presidida pelo presidente Luís Carlos Dudé (MDB), criou a Comissão Especial de Enfrentamento à Covid-19.

Segundo o presidente, o objetivo da comissão é desenvolver um trabalho fiscalizador sobre todas as ações desenvolvidas pelos Governos do Estado e do  Município no combate efetivo ao coronavírus em Vitória da Conquista. “Essa comissão é formada por sete vereadores, três de oposição, três de situação e um representante da Mesa Diretora, para que a gente possa fazer o trabalho fiscalizador nesse momento de avanço da pandemia”, disse Dudé.

Para facilitar o trabalho da comissão, o presidente disponibilizou a frota de veículos da Casa, inclusive o carro da presidência, a qualquer dia e hora em que se fizer necessário. Além disso, a Casa vai encaminhar ofício ao Comando de Policiamento Regional Sudoeste (CPRS), Coronel Ivanildo, e ao coordenador da Polícia Civil, Fabiano Aurich, solicitando apoio das polícias nas ações realizadas pela comissão, inclusive nos horários de aplicação do Toque de Recolher, caso haja necessidade de atuação dos vereadores.

Conforme o presidente, a fiscalização é uma das competências do Poder Legislativo. “A nossa maior preocupação hoje é a quantidade insuficiente de leitos de UTI, precisamos nos debruçar sobre esse problema, a Câmara não vai cruzar os braços”, afirmou.

A comissão é composta pelos vereadores Orlando Filho (PRTB), representando a Mesa; Edjame Rosa Bibia (MDB), Ivan Cordeiro (PTB) e o Delegado Marcus Vinicius (Pode), representando a Bancada de Situação;  Viviane Sampaio (PT), Chico Estrella (PTC) e Ricardo Babão (PCdoB), representando a Bancada de Oposição.

 

Novas medidas restritivas: saiba o que poderá funcionar na Bahia de sexta a segunda


A partir das 17h de sexta-feira (26) até as 5h da segunda-feira (1º), ficam suspensas todas as atividades que não estejam relacionadas à saúde pública, alimentação e segurança em toda a Bahia. A medida terá início gradual às 17h de sexta, com o fechamento do comércio de rua. Às 18h, bares e restaurantes com atendimento presencial devem fechar e, às 19h, os shoppings, galerias e demais centros comerciais.

Essa diferença de horário serve para escalonar o uso do transporte público e evitar aglomerações nos veículos. Os estabelecimentos deverão encerrar suas atividades com até 30 minutos de antecedência, de modo a garantir o deslocamento de seus funcionários às suas residências.

Serviços de alimentação por delivery poderão funcionar até meia-noite. Mercados e padarias poderão funcionar até as 20h. As feiras livres também poderão funcionar, desde que em local aberto e com distanciamento entre as barracas. Já a venda de bebidas alcoólicas está proibida em qualquer estabelecimento comercial, inclusive supermercados e delivery, a partir das 18h de sexta-feira.

Está restrita também a circulação noturna de pessoas na rua em todo o estado, das 20h às 5h, de sexta-feira (26) a segunda (1º). A exceção é para deslocamentos por motivos de saúde ou que fique comprovada a urgência.

As medidas, que têm como objetivo conter o acelerado avanço da pandemia de Covid-19, foram anunciadas nesta quinta-feira (25) pelo governador Rui Costa em coletiva de imprensa virtual com o prefeito da capital baiana, Bruno Reis, e o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Eures Ribeiro. As novas determinações serão publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (26).

Seguem suspensos também, até segunda-feira (1º), eventos e atividades, independentemente do número de participantes e horário, que envolvam aglomeração, como: cerimônias de casamento, atividades religiosas, solenidades de formatura, bem como aulas em academias de dança e ginástica. Também estão proibidas atividades esportivas coletivas amadoras, já as práticas individuais estão permitidas desde que não gerem aglomerações.

Ainda segundo o decreto, podem funcionar normalmente os terminais rodoviários, metroviários, aquaviários e aeroviários; os serviços de limpeza pública e manutenção urbana; delivery de farmácia e atividades profissionais de transporte de privado de passageiros.

Transporte

Ônibus metropolitanos e o metrô deverão encerrar suas operações das 20h30 às 5h, de sexta (26) a segunda (1º). Já o transporte aquaviário metropolitano (ferry-boat e lanchinhas) funciona até a sexta (26), às 20h30, e retoma a operação somente na segunda (1º) a partir das 5h; portanto, não funciona no sábado (27) e domingo (28). Os ônibus intermunicipais poderão circular normalmente.

Estão autorizados os serviços necessários ao funcionamento de indústrias, do setor eletroenergético e dos centros de distribuição, bem como o deslocamento dos seus trabalhadores.

O novo decreto que será publicado nesta sexta (26) determina ainda a suspensão, por sete dias, dos procedimentos cirúrgicos eletivos não urgentes ou emergenciais, nas unidades de saúde públicas e privadas de todo o estado.

“Apesar de toda ampliação de leitos que já fizemos e ainda vamos fazer, o número de casos continua aumentando e colocando pressão nas UPAs e hospitais. Se não contermos o crescimento do vírus, irão faltar vagas para quem precisa, inclusive nos hospitais particulares. Por isso nós decidimos conjuntamente fechar as atividades não essenciais de qualquer natureza”, declarou Rui.

O governador informou que a Polícia Militar atuará em conjunto com a Guarda Civil Municipal e fiscais das prefeituras para conter aglomerações e desrespeito às medidas de restrição.

Vacina

Rui afirmou que continua buscando vacinas para o estado, de forma independente do Governo Federal, com base na medida do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou estados e municípios a comprar e a distribuir vacinas contra a Covid-19, caso o Governo Federal não cumpra o Plano Nacional de Imunização ou caso as doses previstas no documento sejam insuficientes.

“Sabemos que a única maneira de vencermos o vírus é a vacinação de uma grande quantidade de pessoas. Por isso, hoje [quinta, 25], eu tive uma reunião com o laboratório Pfizer e solicitei que a Procuradoria Geral do Estado negocie os termos com a assessoria jurídica da empresa. Amanhã [sexta, 26] terei uma nova reunião com o Fundo Soberano Russo e vamos discutir a possibilidade de retomar as negociações iniciadas num momento que ainda não tínhamos a decisão judicial que hoje temos. Também estamos em contato com a Embaixada da China sobre a compra de duas outras vacinas que já possuem autorização definitiva lá”, concluiu.

Fonte: Governo da Bahia