[Conquista]: Conclusão da Travessa dos Artistas depende da ‘Embasa’, ‘Oi’ e outras empresas, diz Prefeitura


Obras atrasadas e dependência da Embasa, Oi e outras empresas

 

As obras da Travessa dos Artistas, iniciadas no mês de junho, não tem ainda uma data certa para terminar. Comerciantes do local estão reclamando do prejuízo por conta do atraso na conclusão. Como era de se esperar, a construção da ‘Estação de Transbordo da Lauro de Freitas’ está mexendo com toda a infra-estrutura de drenagem e tubulações, não apenas da Lauro de Freitas, mas de todo o seu entorno.

Após críticas de parte da imprensa, a Prefeitura informou na tarde desta quinta-feira (30), que a conclusão das obras de drenagem na Travessa do Artistas está dependendo da regularização de redes de água e esgoto da Embasa e redes de lógica da Oi, entre outras empresas, que vão precisar investir recursos próprios para que a obra ande. Será que tais empresas irão colaborar?

A construtora PJ Construções e Terraplanagem Limitada, responsável pela execução da obra, está parada aguardando que as empresas que possuem tubulações no local regularizarem as suas instalações. “O local é cheio de interferências. Existem redes de água e esgoto da Embasa e redes de lógica da Oi, por exemplo; e essa obra interfere nesses outros tipos de tubulações”, explica o secretário municipal de Infraestrutura Urbana, José Antônio Vieira.

De acordo com o governo Herzem, esses ajustes são de responsabilidade das próprias empresas e que foi dado um prazo para que estas substituam ou adequem suas tubulações, etapa fundamental para o avanço da obra. A Prefeitura afirma que os reparos particulares devem ser concluídos ainda neste fim de semana, possibilitando que a Prefeitura volte a atuar no local.

A drenagem na Travessa dos Artistas é fundamental na captação da água da chuva que chega à Praça da Bandeira e à Estação de Transbordo.

A Embasa e a OI não se manifestaram sobre o caso.

A obra – Orçada em cerca de R$ 6,6 milhões, oriundos do Financiamento à Infraestrutura e Saneamento (Finisa II), da Caixa Econômica Federal, a reforma da Estação de Transbordo da Lauro de Freitas também conta com nova estrutura de pavimentação asfáltica, cobertura completa, iluminação, acessibilidade e projeto paisagístico.

(Com informações da Secom/PMVC)