Covid-19: Prefeitura de Conquista endurece protocolo e interfere em ritual católico


Com o aumento do número diário de novos contaminados com a Covid-19 em Vitória da Conquista, um novo decreto do prefeito Herzem Gusmão, publicado no Diário Oficial na última quarta-feira (16), aumentou as exigências para reuniões presenciais em templos religiosos.

O Decreto 20.536 interfere até mesmo na ritual de Eucaristia católica, “fica vedada a partilha de pão e vinho ou qualquer outro item similar, a não ser que estejam embalados e lacrados previamente”. Em Pernambuco, por exemplo, nas congregações que celebram a ceia, com partilha de pão e vinho, ou celebração de comunhão, foi exigido das autoridades apenas que os líderes religiosos e o público higienizem as mãos antes de realizar a partilha sem que o termo “vedação” fosse utilizado.

A duração das reuniões também foram afetadas. “As celebrações deverão ter a duração máxima de 01 hora e 30 minutos”, diz o decreto.

Uma frequentadora da Igreja Católica em Vitória da Conquista, criticou o decreto. “O Prefeito emite decreto somente limitando as atividades da Igreja Católica? Porque não retroceder na reabertura de bares, restaurantes e academias?”

CONFIRA O NOVO PROTOCOLO PARA REABERTURA DOS TEMPLOS RELIGIOSOS
A ocupação máxima do templo deverá limitar-se a 4m² por pessoa;
·
Distanciamento sentado : deverá ser mantida a distância mínima de 2 (dois) metros
entre pessoas, mudando a disposição de mobiliário ou alternando assentos,
demarcando os lugares que, necessariamente, precisarão ficar vazios, e
considerando não somente o distanciamento lateral, mas, ainda, o distanciamento
entre as fileiras de bancos, que também deverá ser de 2 (dois) metros de distância
entre uma fileira e outra;
·
Distanciamento em pé: deve-se demarcar o piso com fitas de sinalização,
informando a distância mínima (dois metros) que deverá ser adotada por todos;
·
As celebrações deverão ter a duração máxima de 01 hora e 30 minutos;
·
É recomendado à população que realize seus atos religiosos em seus lares e
residências, de forma individual, ou em família, de maneira virtual, sempre que
possível;
·
O templo religioso só poderá permitir a entrada de pessoas utilizando a máscara de
proteção;
·
Fica vedada a partilha de pão e vinho ou qualquer outro item similar, há não ser que
estejam embalados e lacrados previamente;
Deverão ser desativados os bebedouros e catracas;
Deverão ser disponibilizados na entrada dos templos dispensador de álcool gel 70%
e/ou lavatório com água corrente, sabonete líquido e papel toalha para higienização
das mãos;
·
Deverá ser disponibilizado na entrada do templo tapete com pano umedecido com
hipoclorito de sódio ou água sanitária para a higienização da sola dos calçados,
devendo ser trocado e/ou reposto sempre que necessário, com o intervalo máximo de
2 (duas) horas para troca e/ou reposição;
·
Deverá ser realizado o controle do fluxo de entrada e saída de pessoas. Na hipótese de formação
de filas, deve haver demarcação para manter o distanciamento mínimo de 2 (dois)
metros entre os indivíduos.
·
O trajeto entre a casa ou o local de trabalho até a instituição religiosa é um momento
de alta exposição das pessoas ao vírus, seja de um fiel, seja de um colaborador do
local. É de extrema importância fazer avisos aos fiéis sobre os cuidados que deverão
tomar durante este trajeto.
·
Durante o horário de funcionamento dos templos religiosos, deve ser realizada a
limpeza geral e a desinfecção de todos os ambientes de, pelo menos, uma vez por
período – matutino, vespertino e noturno –, bem como antes e depois de cada
celebração;
·
Deverá ser realizada a desinfecção com álcool líquido a 70%, ou água e sabão, ou
solução com hipoclorito de sódio sempre que necessário ou em intervalos de no
máximo 2 horas de todas as áreas de toque e manuseio como bancadas, assentos e
encosto das cadeiras, computadores, telefones, maçanetas, torneiras, corrimãos,
mesas, cadeiras, botões de elevadores e qualquer outra superfície tocável
O uso de instrumentos musicais e microfones devem ser individuais. Após cada uso
devem ser rigorosamente desinfetados;
·
Oriente os paroquianos, colaboradores e participantes de cultos para que não
compartilhem objetos pessoais – fones de ouvido, celulares, canetas, copos – e
façam a higienização adequada dos mesmos;
·
A limpeza e a desinfecção dos sanitários deverão ser reforçadas, devendo haver a
higienização entre as utilizações, limitando-se, ao mínimo, o número de acessos
simultâneos em banheiros coletivos;
·
O ambiente deverá ser mantido com ventilação adequada, deixando portas e janelas
sempre abertas, mesmo que esteja com ar condicionado ligado;
Idosos e pessoas do grupo de risco – hipertensos, diabéticos, gestantes e outros –
devem permanecer em casa e acompanhar as celebrações por veículos de
comunicação, como rádio, televisão, internet, entre outros recursos;
·
Antes, durante e depois da realização das celebrações religiosas, devem ser
evitadas práticas de aproximação entre as pessoas e outras formas de contato físico,
como dar as mãos, beijos, abraços e apertos de mãos, entre outras.
·
Espaços destinados à recreação de crianças, como espaço kids, brinquedotecas e
similares, devem permanecer fechados;
·
Se o espaço tiver elevadores, estes devem operar sempre com 1/3 de sua
capacidade máxima oficial;
·
Demarque, com sinalização, a circulação interna, com fluxo determinado para a
entrada e saída em casos de espaços com 2 (duas) entradas. Em caso de haver
somente uma entrada prepare esse controle;
·
Os recipientes de coleta não devem, em hipótese nenhuma, circular pelas mãos das
pessoas e devem ser mantido a distância segura de cada fiel, de maneira que o
momento da coleta não permita a aproximação das pessoas;
·
Caso algum frequentador do templo, apresente sinais e sintomas da COVID-19,
deve imediatamente respeitar o isolamento domiciliar e informar à Secretaria
Municipal de Saúde. Importante informar aos seguidores quais os sintomas e quais as
atitudes a serem tomadas;