Presidente da Câmara confirma reunião do Finisa na casa do Prefeito e rebate críticos


A aprovação do empréstimo que a Prefeitura quer contrair com a Caixa Econômica, continua sendo o tema de maior polêmica e debates na Câmara de Vereadores. A cidade de Vitória da Conquista poderá contar com R$ 60 milhões de recursos junto ao Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), da Caixa Econômica Federal, caso os vereadores aprovem projeto de lei que autoriza a operação.

No últimos dias alguns blogs noticiaram em tom de desconfiança uma reunião entre os vereadores na residência do prefeito Herzem Gusmão, sem a participação da imprensa e do povo. 

Na sessão ordinária desta quarta-feira (30), o presidente da Casa, Luciano Gomes (PL), confirmou que também participou da reunião com o prefeito Herzem Gusmão sobre o Finisa 2 e que o encontro aconteceu de fato, na residência do gestor, com a participação de assessores da Prefeitura Municipal e os vereadores Fernando Jacaré (PT) e Professor Cori (PT).

De acordo com Luciano, a reunião seria na prefeitura, mas foi transferida para a residência do prefeito por conta de um problema de saúde do mesmo. “Eu não vejo nada de errado nisso”, disse ao defender que a reunião poderia ter acontecido em qualquer lugar, pois foi para discutir o Finisa 2, seu detalhamento, os investimentos para cada bairro.

Luciano falou que não tem nada a esconder porque não faz política rasteira e afirmou que as críticas a essa reunião vêm de quem é desonesto e pensa o mesmo dos outros, julgando pela própria régua.

O presidente parabenizou a conduta de Jacaré e Cori e afirmou que as críticas vêm de quem está com medo das eleições de 2020, e tenta desvirtuar situações normais do rito legislativo. “Respeite a Câmara de Vitória da Conquista”, afirmou. Luciano sugeriu aos críticos uma consulta à população dos bairros que serão atendidos pelo Finisa 2 e que hoje sofrem com a poeira e a lama. Ele frisou que o empréstimo “é um investimento para os bairros mais pobres de Vitória da Conquista”.
Em sua fala, Gomes reafirmou que a Casa tem responsabilidade, foi à Caixa Econômica duas vezes em busca de informações, “tentar entender o projeto”, porque não se pode penalizar a população, votar projeto sem ler, sem debate. Ele lembrou que a Casa já aprovou projetos de empréstimos de outras gestões e o próprio Finisa de 2017 já apresenta resultados, como a construção do aterro sanitário e as obras de pavimentação do Conveima 1.