Ministro da Saúde defende uso de máscara por motoristas de ônibus para conter avanço do coronavírus


O ministro defendeu  neste sábado (28) o uso de máscaras por motoristas de ônibus. “A questão da máscara: Nós temos o TNT, que é o Tecido Não Tecido. Hoje, eu já vou mandar para as grandes confecções brasileiras, aquelas que puderem ajudar, como a Riachuelo, as Alpagartas, enfim, quem puder ajudar, os grupos de costureiras, o padrão de tecido. São máscaras super simples de serem feitas, tanto pode usar uma borrachinha atrás da orelha, como pode usar a de amarrar, embora a de borrachinha é mais fácil de tirar. Porque essa nós vamos usar principalmente para as pessoas que necessitam só de uma barreira mecânica. Vamos usar para forças de segurança, vamos usar para fator externo, vamos usar para motorista de ônibus, vamos usar para aqueles que estão no entorno”- disse Mandetta ao indicar as máscaras de uso médico para profissionais de saúde, como os médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas, técnicos de exames, de diagnósticos e demais trabalhadores que atuam diretamente em hospitais e centros de triagem.

Estas máscaras para profissionais que lidam com público externo ao hospitalar, como os motoristas de ônibus, são para a proteção dos trabalhadores, mas também do público, já que eles podem contaminar também os passageiros. Isso porque, o vírus no corpo da pessoa pode ser assintomático ou provocar sintomas de sete a 14 dias depois, mas logo no primeiro dia já pode estar contagiando as demais pessoas.

Mandetta também citou a necessidade de realização de testes rápidos em profissionais de saúde, caminhoneiros e motoristas profissionais em geral que tiveram sintomas do coronavírus, se recuperaram, mas ainda podem estar com a Covid-19.

Isso porque, as pessoas mais fortes podem estar livres dos sintomas depois de um período, mas o coronavírus ainda estar nelas.

[OPINIÃO]: Tá nas mãos de quem mesmo?


Por Léo Mascarenhas*

Todo mundo tá entendendo errado ou só eu?

Peraí!  Me explicaram o seguinte: “ Temos um vírus de letalidade baixa, mas altamente contagioso e que pode complicar em pessoas imunodeprimidas. Como todos podem pegar, não teremos leitos hospitalares para todos, logo, precisamos achatar a curva de contágio para segurar a doença.

Tá… Achatar a curva é o correto, mas para quê? Para ganharmos tempo, tempo para construirmos leitos e aí salvar o povo.

Eu tô aqui, fazendo meu papel, quieto, louco para trabalhar, precisando trabalhar, briguei inclusive para que tudo fosse fechado, por quê? Porque eu queria dar tempo para que os gestores públicos fizessem o trabalho deles.

É óbvio que os governantes não fizeram nada!

Só as pessoas ficaram em suas casas e a tal curva está ficando achatada, mas na hora que voltarmos, a danada da curva vai crescer.

O vírus tá aí, só estamos enganando ele, ele tá lá fora, louco para me pegar e eu aqui dentro escondido.

Bum! Na hora que eu sair ele vai me pegar, ele vai pegar muitos, e teremos problemas sim, mas a culpa será de quem? Do vírus? Nada, a culpa vai ser de quem só tá brigando e esquecendo de fazer o simples.

Simples? Simples uma ova! É difícil ‘pacas’ construir hospitais, leitos, comprar insumos, no entanto é mais fácil que ficar em casa, é mais fácil que ver tudo se acabando.

Poxa! Eu dei o tempo para vocês, senhores políticos, deveriam estar todos unidos e usando o tempo que eu dei a vocês, o tempo que todos nós demos.

Mas não, vocês pegaram meu tempo e foram brigar, uns não fizeram nada e outros nada fizeram.

Estamos assim… Presidente brigando pela economia e com medo do problema econômico aparecer; Governadores brigando com o medo de muitos morrerem e os problemas da saúde aparecerem e Prefeitos assistindo com medo de perderem suas eleições.

Esses, os prefeitos, se falarem que o Presidente está errado, vão perder votos, se falarem que os Governadores estão errados vão perder votos.

Peraí! Não falem nada, trabalhem, façam seus hospitais, se reúnam com empresários de suas cidades, cobrem dos Governadores, mandem eles cobrarem do Presidente, era para isso que demos tempo para vocês.

Vocês fizeram o quê? O que foi preparado nesses dias? Nos contem, precisamos saber. Sabe o que vocês fizeram? Fizeram o seguinte: Transformaram aqueles que deram o tempo para vocês, em alienados e medrosos e os que querem voltar ao trabalho, em insensíveis.

Mas não somos nenhuma coisa nem outra, somos vítimas de anos de descaso com a saúde pública, anos de descaso com a falta de oferta de trabalhos e remunerações dignas, somos vítimas de roubos e mais roubos.

Aí como se tudo não bastasse, vocês nos roubaram  o tempo, quando nos pediram para ficar em casa e não fizeram nada e a esperança, quando nos pediram para voltar às ruas e nada fizeram.

E agora estão achando que ninguém está entendendo o jogo? Pera aí ! Se alguém não entendeu eu vou explicar:
Quando nos mandam voltar e fazer isolamento, tudo ao mesmo tempo, é só para terem os dois argumentos:

1-COVID19 matou! Mas eu falei para ficar isolado.
2-Crise econômica atacou! Mas eu falei para ir trabalhar.

Ninguém será culpado de nada, tudo ficou nos 50%, ou seja leitor, se você morrer é porque não se isolou direito e se você falir é porque não foi trabalhar, mas se você for trabalhar e morrer é porque foi o coronavírus.

Me façam uma garapa, me batam um abacate e me arrumem uma solução!

Meia boca não!

Eu votei confiando em vocês para resolverem coisas como essa.

Quero ir trabalhar e quero leito para me tratar.

Dr Léo Mascarenhas é advogado, empresário e colaborador do BCS

 

[VÍDEO]: Traficantes ordenam quarentena; ‘Se o governo não tem capacidade, vamos resolver’


O fato de os milicianos terem imposto uma medida sanitária que a Presidência se recusou a adotar, mostra um vácuo de poder que contribui para agravar ainda mais a situação no Brasil. No momento, o país é uma panela de pressão, para onde vai explodir?

Pouco a pouco, os países latino-americanos foram desligando as luzes e se colocando em quarentena como um mecanismo desagradável e doloroso, mas necessário, para conter a pandemia do COVID-19 .

No entanto, três países têm sido particularmente relutantes em tomar as medidas radicais necessárias para conter a propagação do vírus: México, Brasil e Chile. O argumento dos três tem sido o mesmo, proteger a economia. Mas a única maneira de conter a pandemia é maltratar a economia . Ao fazer isso, a possibilidade de os países se concentrarem na reconstrução é acelerada. .

O Brasil relatou o primeiro caso de COVID-19 no continente, relatando atualmente 3.477 casos confirmados e 93 mortes, apesar disso, Jair Bolsonaro , presidente, rejeitou as recomendações dos cientistas sobre o coronavírus, como fez no passado em relação às mudanças climáticas .

Em suas declarações, ele não apenas subestimou a seriedade do COVID – 19 – que ele descreveu como uma gripe simples – mas também negou as medidas de quarentena ou toque de recolher impostas pelos governadores nas diferentes regiões do Brasil.

As vozes de oposição a Bolsonaro foram sentidas não apenas nos setores de governo e oposição, mas também na população civil e mais surpreendentemente, do crime organizado .

Por meio de mensagens de texto e redes sociais, os milicianos impuseram um toque de recolher nas favelas do Rio de Janeiro a partir das 20h.

“Queremos o melhor para a população. Se o governo não tiver capacidade para lidar com isso, o crime organizado fará isso ” , afirmou a mensagem.

Como em muitas outras áreas da América Latina, África e Ásia, especialmente nas favelas do Rio de Janeiro, as condições sanitárias impedem as medidas mais básicas de prevenção de contágio: como pedir às pessoas que lavem as mãos a cada três horas, se Toda a água que eles têm deve ser usada exclusivamente para beber?

A economia está em tensão com a contenção da pandemia do COVID-19 de duas maneiras: por um lado, o distanciamento social essencial para evitar o contágio diminui a velocidade da economia e quebra vários elos da cadeia produtiva.

Isso, por sua vez, enfraquece a classe média e empobrece as classes mais baixas, o que as obriga a sair às ruas, porque diante da fome não há quarentena ou toque de recolher que valha a pena.

 

Doria sobe o tom e diz que Bolsonaro ‘não está bem das suas faculdades mentais’


Em entrevista à Agência Efe no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Doria declarou que Bolsonaro “não está com as faculdades mentais em plenitude para poder exercer o comando do país”.

O governador disse também que, pelo cargo que ocupa, não deve “avançar sobre o ponto de vista daquilo que pode ser feito”, e que cabe ao Congresso “avaliar e tomar a decisão, o que fazer com um presidente que não tem capacidade para raciocinar e interpretar e comandar um país”.

Confira a entrevista:

Agência Efe: O senhor endureceu ultimamente o discurso contra Jair Bolsonaro. O que está acontecendo? (mais…)

Nota pública EM DEFESA DA VIDA – Comissão Arns, CNBB, OAB, ABC, ABI e SBPC


Nota contra a campanha de desinformação desenvolvida pelo Presidente da República

As entidades que subscrevem a nota reuniram-se na sexta, 27, de modo virtual, para alertar a população que fique em casa respeitando as recomendações da ciência, dos profissionais de saúde e da experiência internacional.

Estratégias de isolamento social, fundamentais para conter o crescimento acelerado do número de pessoas afetadas pelo coronavírus, visam à organização dos serviços de saúde para lidar com esta situação, que, apesar de grave, pode ser bem enfrentada por um sistema de saúde organizado e bem dimensionado.

(mais…)

Aeroporto de Vitória da Conquista suspende funcionamento durante pandemia


DO BAHIA NOTÍCIAS: O aeroporto Glauber Rocha, na cidade de Vitória da Conquista, ficará fechado por cerca de dois meses com suspensão dos voos em meio a pandemia da Covid-19. Apenas seguranças, agentes de limpeza e locadoras de veículos permanecerão trabalhando no local.

Com 16 linhas aéreas, entre embarques e desembarques, a administração do aeroporto informou que o funcionamento do terminal está suspenso. Como os voos precisaram ser cancelados por falta de demanda, as companhias aéreas suspenderam os pousos e decolagens na cidade por um tempo médio de dois meses.

A última viagem do aeroporto, inaugurado no ano passado, foi na última sexta-feira (27) com destino para o estado de São Paulo.

Atualmente, de acordo com último boletim da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, a cidade de Vitória da Conquista não apresenta casos de Covid-19.

[Covid-19]: Prefeitura de Conquista e PM fecham ‘botecos’ que insistiram em descumprir decreto


Na noite desta sexta-feira (27) a Secretaria Municipal de Serviços Públicos (Sesep) e a Vigilância Sanitária realizaram operação de fiscalização em bares e restaurantes do município. O objetivo foi garantir o cumprimento do Decreto 20.202 que determinou o fechamento do comércio e dos serviços considerados de natureza não essencial a fim de se evitar aglomerações de pessoas. Restaurantes e lanchonetes só podem funcionar mediante a oferta do serviço por meio do delivery ou entrega agendada. (mais…)

Em meio à pandemia, senador apresenta projeto para proteger ‘galos de briga’


DO ANTAGONISTA – Em meio à pandemia do novo coronavírus, o senador Telmário Mota, do Pros de Roraima, apresentou hoje no Senado um projeto de lei que dispõe sobre a criação, manejo e exposição de aves da raça Mura, os chamados de “galos de briga”.

Segundo o senador, a ideia é “atender os princípios de garantia do bem-estar animal e da preservação da espécie”.

Em sua justificativa, ele diz:

“Mesmo havendo interesse histórico, cultural e genético, a situação da raça Mura está em perigo no Brasil. Embora o País tenha hoje milhares de criadores que lutam pela preservação do valente galo Mura, os seus abnegados criadores enfrentam problemas oriundos da desinformação e da discriminação. Isso porque se tem a visão errada e preconceituosa de que o galo combatente só se presta para o combate, o que não representa a realidade.”

Ele acrescenta que “a avicultura nacional tem procurado na espécie cruzamentos necessários para melhoramento genético com o fim de obtenção de raças com potencial comercial”.

Caso haja interesse, aqui está a íntegra do projeto.

Defesa de Geddel diz que ‘todos são iguais’ e pede liberdade do ex-ministro


DO BAHIA.BA – Após o procurador-geral da República, Augusto Aras, recomendar ao Supremo Tribunal Federal (STF) que seja negado o pedido de Geddel Vieira Lima para regime domiciliar, sua defesa alega que o ex-ministro é igual a todos, e deve ser julgado da mesma forma.

“A defesa técnica aguarda que sejam observadas as recomendações da resolução 62 do CNJ, que já foram aplicadas a tantas outras pessoas”, afirmou o advogado Gamil Foppel, nesta sexta-feira (27).

Preso desde setembro de 2017, após a Polícia Federal localizar em Salvador um bunker com R$ 51 milhões em dinheiro, o ex-ministro solicitou ao STF para deixar a prisão por causa do risco de contaminação do coronavírus. Na quinta-feira (26), a juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, mandou o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha para prisão domiciliar por causa da pandemia. Cunha tem tem 61 anos e faz parte do grupo de risco da Covid-19, assim como Geddel.

Justiça da Bahia libera mais de 800 presos por causa do coronavírus


DO G1 BAHIA

Mais de 800 presos foram liberados das unidades penitenciárias da Bahia, por causa da pandemia do novo coronavírus, após decisões judiciais. As informações foram confirmadas pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) nesta sexta-feira (27).

A Seap detalhou que a liberação não é generalizada. Segundo a secretaria, os juízes estão analisando casos específicos de presos que cumprem pena em regime semiaberto, que têm autorização de trabalho, que estão em prisão administrativa ou saída temporária.

Também estão sendo liberados os detentos que estão dentro do grupo de risco, como aqueles que têm doenças graves, crônicas e os maiores de 60 anos.

A Seap informou que ainda não há um número total de presos que devem ser liberados na Bahia, já que os juízes estão analisando caso a caso para decidir pela liberação. A previsão é de que, na segunda-feira (30), mais detentos sejam soltos.

Apesar da liberação, os presos continuaram respondendo aos processos pelos crimes que cometeram. A secretaria não informou se esses detentos serão monitorados nem se deverão voltar para as unidades, quando a situação do coronavírus for controlada.

Com a soltura dos presos, a Bahia registra 14.111 detentos, entre homens e mulheres, distribuídos pelas 26 unidades prisionais do estado. Deste número, 2.016 presos excedem a capacidade das prisões baianas, que têm vagas para 12.095 pessoas.