Caravana ‘Aliança Pelo Brasil’ passa por Vitória da Conquista, BA


No último final de semana foi a vez de Vitória da Conquista, BA receber a Caravana ‘Aliança Pelo Brasil’. O objetivo é angariar assinaturas  que serão encaminhadas ao Tribunal Superior Eleitoral no intuito da oficialização do partido.

O grupo do presidente da República Brasileira, Jair Messias Bolsonaro, precisa conseguir 492 mil assinaturas válidas para fundar o Aliança pelo Brasil.

Segundo Simone Barbosa, uma das coordenadoras da Caravana, a intenção é buscar apoio até abril, para criar o partido de direita.

“Nós sabemos que em Conquista, infelizmente, a maioria das pessoas é de esquerda, mas a politica hoje abriu a vinda de Bolsonaro, abriu os olhos das pessoas, hoje as pessoas estão entendendo melhor sobre politica, estudando sobre política e estão vendo que a direita e Bolsonaro estão fazendo toda a diferença”, diz Simone

O partido não deve ser formado em 2020
O presidente Jair Bolsonaro indicou nesta sexta-feira (06), que o seu partido em formação, o Aliança pelo Brasil, não deve sair ainda neste ano. “Pelo que tudo indica, não dá tempo de sair”, disse ele para o site Estadão. Para ter o registro aprovado e poder disputar as eleições, o partido precisa coletar a assinatura de quase 500 mil eleitores, que devem ter firmas reconhecidas em cartório.

O presidente comentou ainda sobre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter identificado a assinatura de sete eleitores mortos na lista de apoios apresentada pelo Aliança.

“A questão de mortos, a manchete, acho que foi do Estado de São Paulo, ‘Aliança tem…’. São sete mortes. Um, o cara lá assinou a ficha e, na semana seguinte, teve uma acidente de motocicleta. Morreu. Os outros meia dúzia… Só sete, né? De não sei quantos mil, 50 mil. Sete apenas. Era CPF errado, a numeração errada, só isso aí”, justificou Bolsonaro.

De acordo com a Justiça Eleitoral, o número de assinaturas descartadas (13.977) supera o de validadas (5.499). Há ainda cerca de 54 mil apoiamentos em fase de verificação pelos cartórios eleitorais. O maior motivo de rejeição de assinaturas aconteceu pelo fato de o apoiador estar filiado a outra legenda.