Ibope e Datafolha tentam explicar “erros grosseiros” de pesquisas


Pesquisa do A TARDE: Polêmica, ilegal e errada.

As pesquisas eleitorais às vésperas do 2º turno de ambos institutos apresentaram percentuais divergentes, em relação aos resultados em capitais como São Paulo, Recife e Porto Alegre

Dois dos principais institutos de pesquisa do país, Ibope e Datafolha tentaram explicar erros nos resultados às vésperas da eleição de 2º turno.

Ambas as pesquisas eleitorais apresentaram percentuais divergentes, em relação aos resultados em capitais como São Paulo, Recife e Porto Alegre.

A diferença percentual entre os candidatos que se enfrentaram no segundo turno foi acima dos três pontos percentuais. Essa portanto, é a margem de erro definida pelos respectivos institutos.

Em Recife, no sábado, Ibope e Datafolha mostravam empate numérico entre João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT). Dessa forma, as pesquisas mostravam 50% de preferência para cada candidato. Após a apuração das urnas, porém, João Campos saiu vencedor com 56,27% dos votos, ao passo que Marília Arraes recebeu 43,73%.

m São Paulo, o Datafolha apontava vitória de Bruno Covas (PSDB) com 55% das preferências, contra 45% de Guilherme Boulos (PSOL). A diferença, contudo, mostrou-se bem maior do que a esperada, com Covas atingindo 59,38% doa votos, e, Boulos, 40,62%.

Em Porto Alegre, o Ibope apontava Manuela D’Ávila (PCdoB) numericamente à frente de Sebastião Melo (MDB): 51% contra 49%. No domingo, no entanto, Melo foi eleito com 54,63%, enquanto Manuela recebeu 45,37% dos votos.

Tanto Ibope quando Datafolha destacaram ainda que as últimas pesquisas apontavam que porcentagem de eleitores poderia mudar de voto ou estava indecisa.

Leia mais em O Globo.