Morre aos 53 anos o fundador do ‘Rappa’, Marcelo Yuka


Marcelo Fontes do Nascimento Viana de Santa Ana era mais conhecido apenas como Marcelo Yuka. Baterista, compositor e ativista político, morreu aos 53 anos de idade no fim da noite de sexta-feira (18), no Rio de Janeiro, em razão de um acidente vascular cerebral isquêmico. O artista estava internado no hospital Quinta D’Or, em São Cristóvão, e havia entrado em coma induzido em 4 de janeiro de 2019.

Yuka tornou-se conhecido nacionalmente nos anos 1990, quando fundou a banda O Rappa, da qual era baterista e compositor da maioria das canções. O grupo alcançou grande sucesso a partir do seu segundo disco, “Rappa Mundi”, de 1996, com hits como “Pescador de Ilusões”. Misturando rock, rap e reggae, embalando letras que por vezes tinham teor político, O Rappa tornou-se um dos conjuntos mais celebrados da música brasileira.

OUÇA UM DOS MAIORES SUCESSOS DO RAPPA

O assalto que mudou a vida de Yuka

Na noite de 9 de novembro de 2000, Yuka estava em seu carro, a caminho da casa do cantor Ed Motta, no Rio. Ao sair de seu prédio, no bairro da Tijuca, Yuka notou que uma mulher estava sendo assaltada e tentou impedir ação dos agressores. A mulher saiu ilesa, mas Yuka foi atingido por nove tiros. O caso teve grande repercussão nacional na época. E chamou ainda mais atenção pelo fato de boa parte das letras de Yuka versarem sobre a violência urbana.

O artista ficou paraplégico e impossibilitado de tocar bateria. Manteve-se por mais um ano n’O Rappa, mas na sequência deixou a banda. Fundou um outro grupo em 2004, F.UR.T.O., e intensificou o lado ativista, fundando uma ONG. Filiou-se ao PSOL e chegou a concorrer ao lado de Marcelo Freixo à prefeitura do Rio, em 2012. Yuka era vice na chapa que acabou ficando em segundo lugar, com cerca de 30% dos votos.

Passou a militar também pelo desenvolvimento de pesquisa com células-tronco e pelos direitos humanos. Em 2017, lançou disco solo chamado “Canções para depois do ódio”, com produção de Apollo 9 e participações de artistas como Céu, Seu Jorge, Cibelle e do congolês Bukassa Kabengele. Com o álbum, manteve a militância política. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, criticou a eleição de Donald Trump, nos EUA, a crise dos refugiados na Europa e a ascensão de Jair Bolsonaro, que à época começava a ganhar popularidade no Brasil.

Fonte: NEXO JORNAL